O Brasil está trabalhando na elaboração de um projeto com propostas de redução de emissões de gases de efeito estufa, que será encaminhado ao secretariado da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP21) até dia 1º de outubro. A convenção acontecerá em Paris, entre os dias 30 de novembro e 11 de dezembro deste ano.

O diretor do Departamento de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Adriano Santiago, ressaltou que algumas mensagens do governo brasileiro já aparecem na declaração conjunta Brasil/Estados Unidos feita durante a visita da presidente Dilma Rousseff àquele país, em junho. O Brasil firmou compromisso de restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares e chegar ao desmatamento ilegal zero até 2030.

Na área de energia, a meta é aumentar a participação de fontes renováveis na matriz energética para algo entre 28 e 33%. Para a matriz elétrica, Brasil e EUA se comprometeram a chegar a 2030 com 20% de recursos renováveis. Isto significa para o Brasil duplicar a participação dessas fontes na matriz elétrica.

Para o diretor do MMA, os compromissos na declaração conjunta com os EUA “formam a base para a declaração maior do Brasil à COP21”. Outros números serão anunciados posteriormente pelo governo brasileiro.

Segundo Santiago, o Brasil está se comprometendo a expandir essas energias. Ele lembra que o leilão de energia previsto para ocorrer em novembro envolve propostas que somam 39 gigawatts (GW) de capacidade instalada, sendo 21 GW de energia solar fotovoltaica e 18 GW de energia eólica. “É um recorde para esse tipo de fontes renováveis em um leilão de energia”, afirma o diretor.